Luciano Huck faz visita em Imbituba

Divulgação/DS

Um dia inesquecível para os moradores do bairro Vila Alvora, em Imbituba. Na tarde de ontem, a comunidade foi surpreendida com uma visita ilustre. O apresentador da Rede Globo Luciano Huck esteve na cidade para conhecer o projeto social “Educar para a vida”, do surfista Leandro Elias, mais conhecido como professor Bananinha.

Luciano Huck apareceu de surpresa na Praia do Porto, bem na hora em que o professor dava uma aula de surfe para as crianças do projeto. Foi um momento de grande emoção para o surfista e seus alunos. Em pouco tempo, o local ficou tomado por curiosos. Todo mundo querendo registrar a presença do ídolo.

O apresentador do Caldeirão do Huck fez gravações com o professor e seus familiares, com os alunos, e até com os pescadores locais. Luciano, que havia recebido informações do projeto social, decidiu conhecer o trabalho e o local onde as aulas são ministradas.

“Ele veio fazer uma surpresa pra mim. Estou muito emocionado, porque eu nunca fiz o meu trabalho esperando algo em troca. Até agora, eu não sei como ele teve conhecimento do projeto. A presença do Luciano Huck aqui é a realização de um sonho”, falou o professor Bananinha.

O projeto existe há 18 anos, e já formou mais de 1.500 jovens atletas. A maioria dos participantes do programa “Educar para a vida” tem entre cinco e 15 anos de idade. E boa parte das crianças e adolescentes tem algum histórico de vulnerabilidade social.

“Eu ainda não sei o que vai acontecer. Eles passaram o dia gravando com a gente. Conheceram a minha história e as nossas condições de trabalho. Eu espero algo bom do Caldeirão do Huck”, falou, emocionado, o professor Bananinha.

Aulas de surfe educam jovens para a vida

Os ensinamentos do projeto são divididos em duas partes. Por não ter uma sede própria, as aulas teóricas são desenvolvidas na casa do professor Bananinha. Já as aulas práticas acontecem na Praia do Porto. Hoje, o projeto “Educar para a vida” sobrevive com a ajuda da comunidade. Todas as roupas de borracha e pranchas foram doadas por amigos do professor.

“A nossa intenção é dar um futuro para os jovens, com uma educação de qualidade. Com o surfe, os nossos alunos ficam mais calmos e, além disso, nós conseguimos tirá-los da ociosidade”, disse Leandro Elias, o professor Bananinha.

O projeto também abre espaço para crianças e adolescentes autistas, cadeirantes, surdos-mudos e com Síndrome de Down. As aulas acontecem três vezes por semana, sempre às terças-feiras, quintas-feiras e sábados, das 14h às 16h.

Fonte: Diário do Sul