Neozelandesa está em São Ludgero

A garota aterrissou em terras brasileiras e passará agora 11 meses em São Ludgero, junto com a família que ganhou para ficar neste período de intercâmbio cultural.

neozelandesa-esta-em-sao-ludgero
Foto: Divulgação/Notisul

Te Kawhi Jane King Tamihana ainda vai completar 18 anos em abril e já vive uma experiência enriquecedora, que levará para toda sua vida adulta. A menina vinda da Nova Zelândia aterrissou em terras brasileiras e passará agora 11 meses em São Ludgero, junto com a família que ganhou para ficar neste período de intercâmbio cultural.

A “mãe” de Te Kawhi neste período, Valdete Soethe Schlickmann, de São Ludgero, conta que a preparação para receber a intercambista começou há pouco mais de dois anos. “Meu filho André Luiz, também de 17 anos, quis fazer intercâmbio e então fomos atrás de como fazer. Através do Rotary, descobrimos este programa e passamos a nos preparar, tanto para que meu filho fosse, como para receber um outro jovem, de outro país, em nossa casa”, conta.

O filho de Valdete está há seis meses no México, mas apenas agora a neozelandesa chegou. “Quando André chegar de volta, ainda encontrará sua nova irmã por aqui”, brinca.

Segundo Valdete, por enquanto, nestes primeiros dias, a maior dificuldade tem sido com a língua, já que nem ela, nem o marido, Benício, falam inglês. “Mas meu filho mais velho, Rafael, fala fluentemente e então ele está sendo o intérprete até que ela aprenda nossa língua”, explica.

Mesmo com um pouco de dificuldade na hora de se comunicar, a convivência tem sido muito boa. “A Te Kawhi é uma menina muito querida, mostra muita vontade de aprender. Na semana que vem ela já irá começar a ter aulas de Língua Portuguesa e temos certeza de que logo a comunicação estará bem mais fácil”, pontua.

Para a família de São Ludgero, tanto receber a intercambista como ter o próprio filho fazendo um intercâmbio em outro país tem sido uma experiência  enriquecedora. “Meu filho, antes bem quietinho, já está mais desenvolto e até mais maduro. Este é um grande programa e, como é do Rotary, temos a certeza de ser confiável”, comenta.

Fonte: Diário do Sul