Após reportagem do CN, família reencontra parente após 30 anos

Uma das irmãs engajada na busca, Beatriz Moraes, entrou em contato com o CN, agradecendo pela reportagem, e emocionada contou a ótima notícia.

Por Diego Mateus, CN

apos-reportagem-do-cn-familia-reencontra-parente-apos-30-anos
Na foto as irmãs Beatriz Morais e Cleomar Moais (Foto: Arquivo pessoal/Divulgação Cidade Notícias)

Depois de 30 anos uma família ficou completa novamente. Uma mulher, de 30 anos, natural de Orleans, que estava sem contato nenhum com sua família biológica desde seu nascimento, fez contato com as irmãs após ler a reportagem publicada no site e página do Cidade Notícias (CN), e saber que estava sendo procurada por elas.

Na época em que a reportagem foi publicada, há cerca de um ano, teve grande repercussão, alcançou milhares de reações e compartilhamentos, e até recentemente vinha sendo divulgada.

Uma das irmãs engajada na busca, Beatriz Morais, de 34 anos, entrou em contato com o CN, agradecendo pela reportagem, e emocionada contou a ótima notícia. O mesmo sentimento é compartilhado pela irmã, Cleomar Morais, de 33 anos, que também ajudou na busca. Por motivos pessoais, a família não quis dar mais detalhes do reencontro, entretanto, Beatriz revelou que a irmã mora em uma cidade aqui do Sul de SC.

Em seu perfil no facebook, Beatriz também demonstrou sua emoção com o reencontro, e a gratidão a todos que ajudaram de alguma forma, para que essa história terminasse com um final feliz.

“Agradecemos os compartilhamentos, nossa irmã entrou em contato. Já tivemos a oportunidade de nos conhecer, estamos muito felizes”, relatou.

A menina nasceu em Orleans, onde a família permaneceu por anos, na comunidade do Rio Novo. Como na época a mãe, Isabel Morais, não tinha condições de criar a criança, pois a família passava por fome extrema, Isabel era espancada pelo ex-marido alcoólatra e já havia perdido uma filha por desnutrição, ela tomou a difícil decisão de entregar sua bebê em adoção, para uma família que pudesse dar a pequena, a chance de ter um futuro e evitar que a criança passasse por todo aquele sofrimento.

Conheça a história

Isabel tem a vida marcada pelo nascimento de cinco filhas e pelo sofrimento da perda de três delas. Na década de 80, Isabel sofreu nas mãos do ex-marido. Como ele tinha problemas com o álcool, a esposa tornava-se o alvo dele nos momentos agressivo.

“Desde que casei passei dificuldades. Apanhar da sogra, do marido, dormi embaixo da casa dos outros. Muitas vezes passei noites embaixo da casa da vizinha sem ela saber. Conseguia comer só no meu trabalho”, relata.

A primeira filha, Leandra, faleceu com apenas dois meses vítima de desnutrição. Em seguida vieram Beatriz Morais e Cleomar Morais, as únicas que estão presentes na vida de Isabel.

Quando a mãe deu à luz a quarta filha, sabendo que não teria como alimentar a menina e por já ter passado pela dor de perder uma delas, a mãe optou em confiar a vida de sua amada bebê, a uma família que tivesse condições de alimentar e dar um futuro melhor para a menina. Cleusa, a quinta filha, também faleceu com poucos meses com a suspeita de desnutrição.

“Nós morávamos num barraco pequeno em Orleans, eu não tinha algo para comer e não conseguia amamentar as meninas”, recorda Isabel.

“Quando ganhei minha quarta filha, logo disse a equipe de profissionais que queria doar a criança, para uma família que pudesse criar e dar um futuro melhor para ela”, conta entre lágrimas.

Isabel relata ainda que mulheres de Lauro Muller vieram conhecer a criança, bem como a casa de Isabel para ver a realidade da família. No retorno ao hospital, a mãe da bebê foi encaminhada ao setor no qual assinou um documento com seu nome e do pai da menina.

“Depois elas foram até o carro e eu fui junto. Lembro que pedi para me deixarem dar um beijo nela e assim me despedir. Elas embarcaram e foram embora”, lembra emocionada.